jusbrasil.com.br
21 de Setembro de 2018

Princesa Isabel e a indenização para ex escravos que infelizmente nunca aconteceu

Da série "Recuperando a História do Brasil". Artigo II. A história é contatada pelos que vencem

Monarquia Constitucional, Estudante de Direito
há 2 anos

Princesa Isabel e a indenizao para ex escravos que infelizmente nunca aconteceu

O breve texto apresenta palavras escritas pela Princesa Isabel, que tem como assunto grandes reformas, voltadas principalmente para ex-escravos e para as mulheres.

Em carta que poderá ser lida aqui e que hoje se encontram no acervo do museu imperial em petrópolis mostra o projeto de indenização para ex-escravos, para que pudessem trabalhar em sua agricultura e pecuária e um maior espaço para as mulheres em uma sociedade extremamente patriarcal.

A princesa Isabel é vista ainda por muitos como uma personagem da história meramente representativa e que assinou a lei áurea porque seu pai não estava no país no dia em questão, porém a carta revela muito mais, revela um aproximação fiel ao movimento abolicionista e aos principais abolicionistas da época, que na carta os chama de amigos. Ela demonstra também a preocupação com escravocratas e republicanos como um empecilho para que seus planos se concretizassem.

Pena que isso realmente ocorreu, Isabel entrou para história com um reflexo diferente do que realmente foi, a princesa que para muitos libertou apenas por "pressão inglesa" e que deixou os negros ao "relento" jogados a própria sorte. Começamos a mostrar que isso não foi o que realmente ocorreu.

A história é contata pelos vencedores e infelizmente a família imperial brasileira perdeu, e escravocratas e republicanos venceram no final, deram um golpe, instituíram uma república ilegítima, e os negros recém libertos realmente foram jogados a própria sorte, não pela monarquia que acabaria um ano após, sem chances de fazer algo pelos ex cativos, mas por uma república apoiada por ex donos de escravos.

Sem rumo, os recém libertos fundaram favelas, outros se marginalizaram, outros voltaram a fazer trabalhos análogos a escravidão, e hoje, infelizmente ainda são os mais vulneráveis socioeconomicamente.

E se o plano da princesa realmente tivesse ocorrido? E se a república nunca tivesse existido neste país? A única coisa que posso afirma é que milhares de vidas não teriam se perdido nesses 127 anos de República

Texto da Carta.

11 de agosto de 1889 - Paço Isabel

Corte midi

Caro Senhor Visconde de Santa Victória

Fui informada por papai que me colocou a par da intenção e do envio dos fundos de seu Banco em forma de doação como indenização aos ex-escravos libertos em 13 de Maio do ano passado, e o sigilo que o Senhor pediu ao presidente do gabinete para não provocar maior reação violenta dos escravocratas. Deus nos proteja dos escravocratas e os militares saibam deste nosso negócio, pois seria o fim do atual governo e mesmo do Império e da Casa de Bragança no Brasil. Nosso amigo Nabuco, além dos Srs. Rebouças, Patrocínio e Dantas, poderem dar auxílio a partir do dia 20 de Novembro quando as Câmaras se reunirem para a posse da nova Legislatura. Com o apoio dos novos deputados e os amigos fiéis de papai no Senado será possível realizar as mudanças que sonho para o Brasil!

Com os fundos doados pelo Senhor teremos oportunidade de colocar estes ex-escravos, agora livres, em terras suas próprias trabalhando na agricultura e na pecuária e delas tirando seus próprios proventos. Fiquei mais sentida ao saber por papai que esta doação significou mais de 2/3 da venda dos seus bens, o que demonstra o amor devotado do Senhor pelo Brasil. Deus proteja o Senhor e todo a sua família para sempre!

Foi comovente a queda do Banco Mauá em 1878 e a forma honrada e proba, porém infeliz, que o Senhor e seu estimado sócio, o grande Visconde de Mauá aceitaram a derrocada, segundo papai tecida pelos ingleses de forma desonesta e corrupta. A queda do Sr. Mauá significou uma grande derrota para o nosso Brasil!

Mas não fiquemos mais no passado, pois o futuro nos será promissor, se os republicanos e escravocratas nos permitirem sonhar mais um pouco. Pois as mudanças que tenho em mente como o senhor já sabe, vão além da liberação dos cativos. Quero agora me dedicar a libertar as mulheres dos grilhões do cativeiro doméstico, e isto será possível através do Sufrágio Feminino! Si a mulher pode reinar também pode votar!

Agradeço vossa ajuda de todo meu coração e que Deus o abençoe!

Mando minhas saudações a Madame a Viscondessa de Santa Vitória e toda a família.

Muito de coração

ISABEL


Uma das páginas da carta original que pode ser encontrada no Museu Imperial de Petrópolis.

8 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Incrível, no Império o Brasil estava a ir para os melhores caminhos. República é igual a atraso. continuar lendo

É uma carta que, sem dúvida, reforça as impressões que tive dela em meus anos de estudo. Uma idealista incapaz de dimensionar os meandros da política. Dotada de uma mente rasa, incapaz de perceber o possível. Como dissera Medeiros e Albuquerque,

"Via-se bem que ela tinha a mentalidade de uma burguesinha de classe média, boa, honesta, virtuosa, mas sem nenhuma elevação."

Dada a força dos escravocratas, primeiro e último baluarte do governo Imperial, tão destrambelhada e súbita oposição a seus últimos aliados saiu caro ao Império.

Conforme teria dito o Barão de Cotegipe, "A Senhora ganhou a parada... Mas perdeu o trono". E assim, após décadas de autofagia, ruiu o Império.

É curiosa a menção a Mauá, possivelmente o empreendedor que mais foi lesado por atos governamentais em toda a história do país (contando até com a "falência" da PANAIR). Teve seu Banco do Comércio tomado pelo Império, o Banco Mauá sofreu um calote monstruoso da parte do governo uruguaio (que nossas tropas instalaram), e sua indústria continuamente prejudicada pela esquizofrênica política aduaneira imperial. continuar lendo

E bem sabemos o motivo da perda do Trono. continuar lendo

Maravilhoso, mostra como nossa Princesa já estava sendo instruída por seu pai, para o governo, e como tinha um pensamento avançado para seu tempo, se não conseguiu a lei Áurea que queria ela iria conseguir por meio dos fieis patriotas monarquistas, infelizmente um Marechal por despeito de uma amante que perdera para outro homem, e sendo enganado tirou de nós o futuro a honra a dignidade, e até mesmo o patriotismo de muitos. Que reinado seria o de sua alteza, não ficaria devendo nada ao de seu pai nosso Magnânimo. Acho que de joelhos aos pés de nossa Redentora e em prantos, não aplaca a vergonha do que fizeram com nossa Redentora e nosso Magnânimo. continuar lendo

Olá, o autor teria o endereço da carta completa digitalizada no Museu Imperial? Não há nenhum registro da carta que é reproduzida aqui no acervo digital daquela instituição.
Obrigado. continuar lendo